Previnindo Alzheimer pela alimentação

previnindo_alzheimer_pela_alimentaçao.jpg

A alimentação tem um papel fundamental na vida útil do cérebro. Somos o que comemos ou seja a alimentação de hoje influenciará na saúde do amanhã.

O pâncreas é um órgão que produz a insulina, mas a depender da dieta ele pode ser mais exigido e em alguma fase da vida reduzir a sua produção levando a diabetes tipo2.

As células normalmente tem alta sensibilidade à insulina e quando essas células são muito expostas a altos níveis de insulina, como resultado de ingestão de doces, carboidratos que são transformados em glicose, reduz o número de receptores de insulina. Este processo se chama resistência à insulina. Gera um ciclo vicioso, culminando no diabetes. O açúcar no sangue provoca uma série de problemas de saúde, gerando cegueira, infecções, danos nos nervos, processos inflamatórios e inclusive o Alzheimer. A resistência a insulina leva a formação de placas nos cérebros que representam o acúmulo de proteínas isoladas que assumem o lugar de células cerebrais saudáveis.

Segundo Dr. David Perlmutter, no livro Dieta da Mente, enfatiza a relação entre baixos níveis de insulina e problemas cerebrais, utilizando o termo “diabetes tipo 3”. Considera que obesos tem maior chance de ter perda de funções cerebrais e diabéticos tem o dobro de chance de desenvolver Alzheimer.

As dicas para evitar as chances de desenvolver Alzheimer são:

  • Diminuir níveis de açúcar no sangue, mesmo não sendo diabético;
  • Reduzir consideravelmente a quantidade de ingesta de carboidratos;
  • Não manter colesterol em níveis muito baixos (colesterol é necessário na proteção do cérebro, ajuda na produção da membrana celular, de hormônios e etc.);
  • Avaliar com especialista se a pessoa tem sensibilidade ao glúten ( proteína encontrada no trigo, cevada, centeio e aveia);
  • Ingerir alimentos anti-inflamatórios, ricos em ômega 3.

O glúten produz reações inflamatórias em diversos sistemas. Quando surgem sintomas no sistema digestivo, causa desconforto como diarreia, gases, inchaço, constipação. Mas quando o cérebro é atingido, pode ser de forma silenciosa. Assim, o cérebro pode sofrer ataques a nível molecular sem que o indivíduo perceba, a não ser por sintomas vagos com dor de cabeça, cansaço, entre outros. Mas se o indivíduo começa a ter perda de memória, caracterizando Alzheimer, este é um sintoma que não retorna. Uma vez que as células cerebrais foram atingidas, só há possibilidade de tratamento para não evolução do quadro. Existem diversas pesquisas para a descoberta de um tratamento mais efetivo do Alzheimer, mas ainda não conclusivo. Desta forma, podemos agir contra este mal de forma preventiva, cuidando da alimentação.

Essência da mente 2022. Todos os direitos reservados.