Meditação e depressão

meditacao_e_depressao.jpg

Existem três tipos de meditação desenvolvidos pelo budismo e praticados em programas laicos em hospitais e escolas ao redor do mundo.
1- Atenção focada – visa centrar a mente no momento presente, mantendo-se vigilante em relação `as distrações.
2- Atenção plena ( mindfulness ) – procura cultivar consciência emotiva menos reativa a emoções pensamentos e sensações que ocorrem no presente para impedir que eles fujam ao controle criando sofrimento mental. O meditador mantém-se atento a qualquer experiência sem se concentrar em nada específico.
3- Compaixão e bondade amorosa – promove perspectiva altruísta em relação aos outros e bem-estar consigo mesmo.

Zindel Segal e seus colegas do Centro de Dependência e Saúde Mental de Toronto, acompanharam 84 pacientes com depressão e haviam tomado antidepressivo até a remissão dos sintomas. Um terço dos pacientes continuaram usando antidepressivo, um terço recebeu placebo, e o restante realizou meditação de plena consciência.
Um ano e meio após, tanto o grupo que recebeu antidepressivo, como o grupo que praticou meditação voltaram a ter depressão em 30% dos pacientes, enquanto 70% dos pacientes do grupo que recebeu placebo voltaram a ter depressão.
Conclui-se que a meditação pode ter a mesma eficácia que os antidepressivos para evitar recaída. Os efeitos benéficos da meditação se baseiam na modificação da atividade cerebral.
Assim podemos perceber o quanto cada indivíduo pode fazer por si mesmo, considerando que a “cura” pode estar mais nas mãos do paciente do que do médico.
Para quem se interessar por este assunto pode ler mais na revista mente cérebro nº270, página 26.

Essência da mente 2022. Todos os direitos reservados.